VOLTAR  

POR ZACHARY STIEBER –  FONTE: EPOCH TIMES – 7 de novembro de 2021 

Comentado no Portal Lucy Kerr em  7 de novembro de 2021

A eficácia das três vacinas COVID-19 disponíveis nos Estados Unidos diminuiu nos últimos meses, com a proteção contra a infecção caindo para menos de 50 por cento para duas delas após seis meses, de acordo com um novo estudo.

A vacina COVID-19 da Moderna caiu de 89,2 por cento em março para 58 por cento em setembro, descobriram os pesquisadores . Durante o mesmo período, a vacina COVID-19 da Pfizer caiu de 86,9 por cento eficaz para 43,3 por cento, e a injeção da Johnson & Johnson caiu de 86,4 por cento para 13,1 por cento.

O Dr. Stephen Hahn, chefe da Food and Drug Administration durante a parte final da administração de Trump, disse no ano passado que a agência não autorizaria vacinas COVID-19 que não fossem pelo menos 50% eficazes contra infecções.

COMENTÁRIO: com tantos dados favoráveis ao tratamento da COVID-19 com a drogas reposicionadas com eficácia antiviral comprovada, está mais do que na hora das Agências Reguladoras abandonarem esse tratamento experimental, sem nenhuma eficácia significante (dizem que são vacinas, mas sem concluir fase 3- que daria a fármaco segurança – não merecem esse nome), e substituírem-no por tratamentos que estavam e continuam funcionado, o principal deles sendo com a Ivermectina, que funciona em todas as fases da COVID-19. E com segurança de não causar qualquer malefício, o que não pode ser dito das pseudo vacinas, que até agora já causaram aumento estratosférico de mortes. 

Total de morte pelas vacinas da COVID-19, até setembro de  2021, de acordo com o sistema VAERS, que coleta esses dados apenas nos EUA, foi de 8606, enquanto que Média anual da década passada, de todas vacinas combinadas, foi de 155.7, ou seja, um aumento de 5.427% . 

INACEITÁVEL!!!!

E por que a mídia não comenta? Não deveriam informar? Quando era uma ou duas mortes pela vacina da febre amarela saia em manchetes e agora o aumento de mais de 5000% não causa nenhum escândalo?

Os pesquisadores também descobriram que a proteção das vacinas contra a morte diminuiu após seis meses, principalmente entre os idosos. 

COMENTÁRIO: e é justamente entre os idosos que os tratamentos reposicionados se têm mostrado mais eficazes. Não é hora de valorizar o certo e deixar de lado o duvidoso? E aposentar de vez frases sem fundamento quando a mídia se refere à Ivermectina como a célebre “tratamento sem eficácia comprovada”,   pois o que não foi comprovado é a eficácia das pseudo vacinas, como demonstrado neste estudo publicado na Science, uma das mais respeitadas revistas científicas.

Em vez de comparar a eficácia em março e setembro, no entanto, eles usaram os dados para identificar a eficácia de julho a outubro. Para aqueles com 65 anos ou mais, a eficácia contra a morte foi de 75,5 por cento para a vacina Moderna, 70,1 por cento eficaz para a vacina da Pfizer e 52,2 por cento eficaz para a vacina da Johnson & Johnson.

Para os mais jovens, a eficácia foi maior: 84,3% para a Pfizer, 81,5% para a Moderna e 73% para a Johnson & Johnson. Embora os primeiros dados mostrassem alta eficácia da vacina contra infecção e morte, “nossos resultados sugerem que as vacinas são menos eficazes na prevenção da infecção associada à variante Delta”, escreveram os pesquisadores.

COMENTÁRIO: as mutações da COVID-19 não afetam a eficácia das medicações reposicionadas, em especial a Ivermectina, pois não são voltadas contra as Spikes (espetinhos da coroa do SARS-CoV2), como todas as vacinas,  mas protegem todos os sítios de entrada, multiplicação e agressão do vírus contra o hospedeiro: uma verdadeira  COURAÇA  antiviral.

Enquanto os vacinados com o passar do tempo enfrentam um risco maior de se infectar com COVID-19 ou morrer, os não vacinados têm ainda mais probabilidade de contrair a doença ou morrer dela, acrescentaram. 

COMENTÁRIO: os não vacinados terão maior chance de morrer da COVID-19 se a política de não aceitação das drogas reposicionadas persistir. Se eles forem corretamente medicados e precocemente, antes que as lesões dos seus órgãos se tornem irreversíveis, sobreviverão, como indica todos os mais de 60 estudos que foram feitos até agora sobre a droga.

Pesquisadores do Public Health Institute, da University of Texas School of Public Health e do Veterans Affairs Medical Center realizaram a pesquisa, que foi publicada na revista Science.  Os pesquisadores examinaram infecções e mortes por COVID-19 por vacinação em 780.225 veteranos entre 1º de fevereiro e 1º de outubro. Eles usaram dados do Department of Veterans Affairs e receberam financiamento do Mercatus Center da George Mason University e do University of California Office of o presidente.

“Nosso estudo oferece aos pesquisadores, formuladores de políticas e outros uma base sólida para comparar a eficácia de longo prazo das vacinas COVID e uma lente para tomar decisões informadas sobre vacinação primária, doses de reforço e outras camadas múltiplas de proteção, incluindo mandatos de mascaramento, distanciamento social, testagem e outras intervenções de saúde pública para reduzir a chance de propagação ”, disse a Dra. Barbara Cohn, a autora principal, em um comunicado. A pesquisa apoia recomendações para obter doses de reforço.

COMENTÁRIO: se as vacinas com duas doses se tornaram ineficazes em pouquíssimo tempo de aplicação, os “doutores da vacina” recomendam que a população tome a terceira dose da mesma “coisa” que não deu certo? Estão brincando com nossa inteligência ou o quê?

Outros estudos têm mostrado COVID-19 eficácia da vacina tem diminuído ao longo do tempo,  mas este foi o primeiro a sugerir uma menor eficácia contra a morte dos vacinados do que muitos outros estudos.

Pfizer, Moderna, Johnson & Johnson e o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos não responderam aos pedidos de comentários durante a noite e não pareceram reagir publicamente ao estudo.  Dois outros estudos, ambos pré-impressos, mostraram que a eficácia da vacina contra a infecção diminuiu ao longo do tempo após a injeção inicial.

Pesquisadores suecos , usando dados de registros nacionais, descobriram que a eficácia da vacina da Pfizer caiu do 92% (inicialmente) para 47% no dia 180º. “Do 211º dia em diante, nenhuma eficácia pôde ser detectada”, disseram eles. 

Enquanto isso, pesquisadores israelenses , extraindo dados de um banco de dados nacional, descobriram que a vacina da Pfizer foi menos eficaz contra infecções e doenças graves ao longo do tempo após a vacinação completa.

COMENTÁRIO:  a população que se vacinou antes da brasileira, que foi a do hemisfério norte, já está mostrando na carne que não tem proteção contra infecção contra a COVID-19 e nem contra a morte caso vacinado . É o momento para a nossa população fazer uma revolução e exigir que essa terapia experimental, com ineficácia comprovada, seja suspensa pois não sabemos os efeitos a médio e longo prazo dessas vacinas, embora saibamos que a mortalidade, a curto prazo, aumentou absurdamente. Um verdadeiro escândalo que continua escondido, mas não será por muito tempo. Como disse Abraham Lincoln: é impossível você esconder a verdade de todo mundo todo o tempo!!!

× Como posso te ajudar?

Deseja se cadastrar em nosso mailing?