Curso: Patologias Benignas da Mama

Um dos poucos cursos que trata das Patologias Benignas das Mamas está disponível com conteúdo on line ou presencial neste portal

Curso: Patologias Benignas da Mama

Valor Curso Completo: R$ 631,00

Este curso permitirá ao aluno conhecer a fundo sobre o tema. Saberá diferenciar, via método de imagem, e dos achados citopatológicos e anatomo-patológicos, as patologias malignas das benignas. Serão especificadas, ainda, as massas, inflamações, mama pós cirúrgica e mama masculina. Com este curso o ultrassonografista aprimorará sua acurácia diagnóstica. O curso é composto por quatro matérias: Alterações Fibrocísticas das Mamas (255 min); Papiloma e Papilomatose (141 min); Tumores Benignos da Mama (149 min); Fibroadenomas (276 min).

Também serão abordados temas como Chaves Diagnósticas e Diagnóstico Diferencial das AFC.

Interessado? Nós contactamos você

Detalhamento das Matérias

Fibroadenomas

Valor: R$ 190,00    |   Duração: 276 min

Composta por seis aulas, neste tema o aluno conhecerá detalhes das características típicas e atípicas desta patologia que são importantes para diagnosticá-la, mostrando critérios bem definidos para a definição de conduta, que facilitará reduzir os excessos de falso positivos e intervenções desnecessárias. Para dar embasamento ao conhecimento e facilitar sua fixação, explicam-se as bases clínicas e anatomopatológicas desses tumores benignos das mamas, sinais e sintomas clínicos e o risco de malignização associado a cada uma dessas manifestações. São mostrados aspectos da anatomia patológica relacionada a esta doença permitindo a correlação com os achados em exames de imagem (mamografia, ressonância magnética, ultrassonografia e elastografia), o que facilita a compreensão das dificuldades de cada modalidade diagnóstica e traça o melhor caminho para o diagnóstico e conduta correta.


Aula 1: Aspectos clínicos, epidemiológicos e a patologia do fibroadenoma.  Aula importante, pois traz características e detalhes da 3ª patologia mamária mais comum, que pode mimetizar malignidade. Apresenta-se os sinônimos dos fibroadenomas, os seus aspectos clínicos e epidemiológicos pertinentes, sua história natural, o padrão de crescimento da variante adulta e juvenil e seu prognóstico. O aluno terá contato com imagens do efeito indutor de fibroadenomas múltiplos pelo uso da ciclosporina. Correlaciona-se o risco de câncer de mama com os tipos principais de fibroadenomas, pois apesar de ser uma patologia benigna pode modificar o risco final para câncer de mama. O enfoque principal desta aula está na descrição dos vários tipos macroscópicos de fibroadenoma e as variantes de composição microscópica, cujo conhecimento facilita a interpretação dos achados em exames de imagens e serão comentados nas aulas seguintes.

Aula 2: Achados da mamografia e da ressonância magnética dos fibroadenomas. Nesta aula serão descritos os principais achados e sinais (localização, textura, tamanho) diagnósticos dos fibroadenomas na mamografia e ressonância magnética, descrevendo-os e exemplificando com imagens. São apontadas as principais limitações da mamografia e da ressonância magnética no diagnóstico dos fibroadenomas típicos e atípicos. Ao final comparam-se os pontos fortes e fracos de cada modalidade de imagem para sabermos indicar corretamente o melhor exame, incluindo-se entre as complicações o uso do contraste gadolínio pela RM para diagnóstico dos fibroadenomas.

Aula 3: Achados ultrassonográficos dos fibroadenomas típicos. Esta aula visa detalhar os sinais e achados ultrassonográficos dos fibroadenomas típicos, tais como limites, textura, cápsula, compressibilidade, formato, mobilidade, orientação, transmissão som e a distinção entre a gordura mamária e o fibroadenoma. Aborda também as variantes morfotexturais mais frequentes dos fibroadenomas e assinala-se qual é o melhor sinal US indicativo de FA e como pode ser alterado pela compressibilidade e planos varredura. Faz-se correlação dos achados morfotexturais com a mamografia e o anatomopatológico, a fim de prover um melhor entendimento dos achados ultrassonográficos. Discute-se os padrões de calcificações dos fibroadenomas e as limitações da ultrassonografia na sua caracterização. Ao final o aluno será capaz de fazer a correlação entre o anátomo-patológico e a ultrassonografia e entender o que depende das características do equipamento para melhorar a resolução.

Aula 4: Os achados Doppler dos fibroadenomas. Aula inteiramente dedicada à descrição e exemplificação dos achados Doppler dos fibroadenomas (incluindo seus achados pós-menopausa). A matéria frisa a importância desses achados no diagnóstico diferencial entre benigno e maligno. Com descrição dos achados Doppler dos fibroadenomas típicos e suas variantes, traz casos emblemáticos de padrão benigno com exemplo. Aponta também os achados Doppler menos típicos de padrão duvidoso e os achados Doppler dos fibroadenomas atípicos, frequentemente confundidos com malignidade. Focaliza-se o diagnóstico diferencial do Doppler do padrão maligno de fibroadenoma com alguns exemplos mais pertinentes. Explica-se o raciocínio global no diagnóstico diferencial pelo Doppler do fibroadenoma típico e atípico. É enfatizada a classificação Doppler, pois esta pode definir conduta.

Aula 5: O fibroadenoma atípico. Focada no fibroadenoma atípico esta aula descreve e exemplifica seus principais tipos, assim como o risco de câncer de mama associado a alguma das variantes histológicas. Sugere-se que o ultrassonografista e o patologista tentem identificar o fibroadenoma complexo. Os sinais usuais deste fibroadenoma são detalhados e exemplificados. Descreve-se os sinais mamográficos atípicos dos fibroadenomas que podem confundi-lo com carcinoma. Descreve-se os sinais ultrassonográficos mais frequentes, menos frequentes e raros dos fibroadenomas. Enfatiza-se os achados Doppler que podem facilitar o diagnóstico diferencial entre nódulos sólidos benignos e malignos, com várias ilustrações pertinentes. Os principais sinais elastográficos que ajudam no diagnóstico diferencial entre benigno e maligno também são mencionados e ilustrados. No final é feita uma correlação entre os pontos chave dos estudos mamográficos, ultrassonográficos e elastográficos, com várias ilustrações que facilitam a assimilação do conhecimento.

Aula 6: Correlação entre padrão ultrassonográfico, Doppler e histologia dos fibroadenomas. Aborda como a textura influencia a capacidade do ultrassom em identificar o fibroadenoma, e quais variáveis influenciam o padrão textural. Serão mostrados achados ultrassonográficos e Doppler que correlacionam com a histologia do fibroadenoma, como por exemplo, a textura, a arquitetura tecidual homo ou heterogênea, a transmissão som, a compressibilidade e o padrão de vascularização. Será abordado o significado destes achados e o risco de malignidade a eles associado. Menciona-se quais são os aspectos decorrentes da física do ultrassom, da técnica do exame e do tipo de equipamento que podem influenciar o padrão textural ultrassonográfico do fibroadenoma, atenuação, transmissão do som. Será dada ênfase no final aos sinais ultrassonográficos de benignidade de nódulo sólido mamário mais e menos confiáveis e a importância da análise evolutiva.

Alterações Fibrocísticas das Mamas

Valor: R$ 190,00    |   Duração: 255 min

Composta por cinco aulas detalhadas que explicam de modo preciso as bases clínicas e anatomo-patológicas das alterações fibrocísticas das mamas (AFC), aqui serão descritos os seus principais sinais e sintomas clínicos e o risco de malignidade associado a cada uma. Com ampla descrição dos aspectos clínicos, patologia e achados dos exames de imagem relacionados a cada uma das principais manifestações da AFC (mamografia, RNM e ultrassonografia), está incluída a correlação das imagens AP com os achados US.

Aula 1: AFC típicas.
Além da definição e classificação das diferentes patologias que compõem as AFC, essa aula descreverá também a fisiopatologia da AFC, dimensionando o risco relacionado com cada variante patológica da AFC. A descrição e ilustração clara e objetiva dos sinais das AFC típicas encontrados nos principais métodos de diagnóstico por imagem (US, RX e RNM) é uma das partes mais importantes dessa aula.

Aula 2: AFC atípicas.
Aborda de forma geral os sinais clínicos mais comuns das AFC atípicas e serão descritivos e ilustrados os principais achados das AFC atípicas na mamografia e RNM, com ênfase na ultrassonografia. O aluno aprenderá em detalhes sobre  os sinais ultrassonográficos das AFC atípicas de conteúdo cístico e sólido (pseudonodulares, proliferativas intra ou paredes ductais), que são as mais problemáticas do diagnóstico diferencial.

Aula 3: Adenose.
Definição, etiologia e principais sinais clínicos da adenose são abordados nesta aula, seguido dos seus aspectos patológicos e da descrição e ilustração das imagens características desta patologia nos principais exames de imagem (US, RX e RNM).  Como auxílio extra ao ultrassonografista, ensina-se as principais chaves diagnósticas. Finaliza-se com o diagnóstico diferencial, de valor inestimável para o médico na sua prática clínica.

Aula 4: Fibrose.
Com o propósito de dar noções claras e objetivas para auxiliar o médico na sua prática clínica esta aula traz a definição, etiologia e principais  sinais clínicos da fibrose. Aborda,  também, seus aspectos patológicos, assim como a descrição e ilustração das imagens características da mesma nos principais exames de imagem (US, RX e RNM). Para auxiliar na detecção desta  patologia comum da mama são descritas as principais chaves diagnósticas e o diagnóstico diferencial, entrando em detalhes na patologia designada como cicatriz radial (por ser confundida com a fibrose e por  ter um risco de malignidade relativamente elevado)

Aula 5: Hiperplasia ductal atípica (HDA) e Hiperplasia lobular atípica (HLA).
Define e conceitua a HDA e HLA, abordando seus aspectos clínicos, epidemiológicos e prognósticos e sua associação com outras doenças. Os achados patológicos mais comuns, com ênfase nas dificuldades que a patologia encontra para diferenciar HDA e HLA do carcinoma ductal in situ de baixo grau (CDIS), são abordas. Também são descritas e ilustradas as imagens características da HDA e HLA nos principais exames de imagem (US, RX e RNM), dando ênfase para a US e a dificuldade de diferenciá-las do CDIS de baixo grau. Há também uma explicação sobre os principais problemas que o médico deve saber sobre o diagnóstico da HDA e HLA através da biópsia. Para auxiliar na detecção destas patologias comuns da mama são descritas as principais chaves diagnósticas e o diagnóstico diferencial.

Papiloma e Papilomatose

Valor: R$ 190,00    |   Duração: 141 min

Composta por 3 aulas: Papiloma / ultrassonografia no diagnóstico do papiloma e papiloma intra-cístico / ultrassonografia da papilomatose e diagnóstico diferencial ultrassonográfico do papiloma; este curso oferece amplo conhecimento dos aspectos clínicos para que identifique reconheça com segurança essas patologias por meio dos métodos de imagem (US, RX e RNM), assim como pelos achados citopatológicos e anatomopatológicos mais comuns.  Para tanto aprenderá a utilizar os sinais US e Doppler, a fazer análise evolutiva e biópsia, bem como correlacionar os achados US com os de outros métodos de diagnóstico por imagem.

Abordando os principais diagnósticos diferenciais relacionados ao papiloma e papilomatose e os problemas dos métodos de imagem ao detectá-los, ensina como superá-los, sempre que possível. O conhecimento veiculado é tão específico e detalhado, que permite ao ultrassonografista aprender ou aprimorar as técnicas de exame adequadas que localizam a lesão ductal e a caracterizam, melhorando sua acurácia diagnóstica.

Aula 1 – Papiloma: Abordando definição e o conceito de papiloma e papilomatose, essa aula descreverá os aspectos clínicos e o prognóstico do papiloma, bem como, os achados da citologia do derrame papilar no papiloma. Nela o aluno estudará sobre a PAAF do papiloma e serão demonstrados os aspectos pertinentes da patologia papiloma.  Será explicada a técnica do ponto de gatilho para pesquisa de patologia ductal. Ao final serão ilustrados os sinais do papiloma na mamografia convencional, ductogalactografia e RNM.

Aula 2 – US no diagnóstico do papiloma e papiloma IC:  Prática, esta aula se inicia com a demonstração da técnica de exame recomendada para se obter as melhores imagens de papiloma. Serão descritos e ilustrados os sinais US de papiloma, incluindo os achados Doppler. Descreve-se e ilustra-se, ainda, o diagnóstico com a USG do papiloma intra-cístico e seus achados Doppler. Por fim, orientará quanto ao diagnóstico diferencial entre papiloma intra-cístico e tumor maligno bem delimitado. O propósito é dar noções claras e objetivas para auxiliar o médico na sua prática clínica.

Aula 3 – US papilomatose e papiloma: Esta aula descreve e ilustra  os sinais US de papilomatose, incluindo os sinais Doppler. Cita e ilustra os diagnósticos diferenciais do papiloma intra ductal. Para auxiliar o ultrassonografista desta patologia comum da mama o aluno aprenderá sobre  as principais chaves diagnósticas e recomendações pertinentes. Finaliza-se demonstrando que o US é o método de imagem mais recomendado para o diagnóstico de papiloma e papilomatose.

Tumores Benignos da mama

Valor: R$ 190,00    |   Duração: 149 min

Aproveite! Este módulo  traz quatro aulas que detalham pontos raramente abordados dos lipomas, hamartomas, adenomas e do tumor filóide, embora sejam importantes para a prática diagnóstica. Para dar embasar e facilitar a fixação do conhecimento, o aluno conhecerá as bases clínicas e anatomopatológicas desses tumores benignos das mamas, sinais e sintomas clínicos e o risco de malignização associado a estas diferentes manifestações. Os aspectos da anatomia patológica relacionados a cada uma e pertinentes para o diagnóstico por imagem são mostrados e facilitam a compreensão das dificuldades diagnósticas na mamografia, RNM e ultrassonografia, permitindo a correlação das imagens AP com os achados de imagem. Também são abordados as chaves diagnósticas e os diagnósticos diferenciais desses tumores.

Aula 1: LIPOMA. Define-se e comenta-se os aspectos gerais dos lipomas. Rica em ilustrações, essa aula descreverá  as principais manifestações clínicas dos lipomas cutâneos e profundos,  suas características patológicas, para melhor entender a categoria na qual se encaixa o lipoma mamário. Serão abordados os achados mamográficos, ultrassonográficos e de RNM dos lipomas, dando-se ênfase na avaliação ultrassonográfica dos mesmos. As principais chaves diagnósticas são enfatizadas para auxiliar o ultrassonografista a diagnosticar esta patologia tão comum na mama. Finaliza-se com o diagnóstico diferencial, de valor fundamental para a prática clínica.

Aula 2: HAMARTOMA. Esta aula inicia-se com a definição e a sinonímia de hamartoma, seguida dos aspectos clínicos e anatomopatológicos desta patologia. Serão abordados, de modo descritivo e ilustrativo, os principais achados dos hamartomas na mamografia e RNM, com ênfase na ultrassonografia e no estudo Doppler. São demonstrados os principais diagnósticos diferencias e a conduta frente a este diagnóstico  como conclusão desta aula.

Aula 3: ADENOMA. Iniciando-se com a definição e a classificação dos adenomas está aula também aborda os achados clínicos e anatomopatológicos do adenoma. Os sinais e características desta patologia, nos principais exames de imagem (US, RX e RNM), são mostrados e ilustrados, incluindo-se o estudo Doppler desta lesão. Para encerrar, são mencionados os diagnósticos diferenciais e a conduta frente ao adenoma.

Aula 4: TUMOR FILÓIDE. A terminologia e definição do tumor Filóide são os temas de abertura desta aula, bem como seus aspectos clínicos e comportamento localmente agressivo do tumor eos achados anatomopatológicos relacionados a esta moléstia. A seguir, é feita uma análise criteriosa da utilidade da PAAF e da Biópsia percutânea c/agulha grossa nesta patologia mamária tão importante. O ponto alto da aula é a descrição e ilustração dos sinais e imagens características do tumor filóide nos principais exames de imagem (US, RX e RNM), bem como do seu padrão no estudo Doppler e as principais características da lesão benigna e maligna. E, para finalizar, são descritos os principais diagnósticos diferenciais, em especial o fibroadenoma gigante juvenil.

ficos dos fibroadenomas típicos. Esta aula visa detalhar os sinais e achados ultrassonográficos dos fibroadenomas típicos, tais como limites, textura, cápsula, compressibilidade, formato, mobilidade, orientação, transmissão som e a distinção entre a gordura mamária e o fibroadenoma. Aborda também as variantes morfotexturais mais frequentes dos fibroadenomas e assinala-se qual é o melhor sinal US indicativo de FA e como pode ser alterado pela compressibilidade e planos varredura. Faz-se correlação dos achados morfotexturais com a mamografia e o anatomopatológico, a fim de prover um melhor entendimento dos achados ultrassonográficos. Discute-se os padrões de calcificações dos fibroadenomas e as limitações da ultrassonografia na sua caracterização. Ao final o aluno será capaz de fazer a correlação entre o anátomo-patológico e a ultrassonografia e entender o que depende das características do equipamento para melhorar a resolução.

Aula 4: Os achados Doppler dos fibroadenomas. Aula inteiramente dedicada à descrição e exemplificação dos achados Doppler dos fibroadenomas (incluindo seus achados pós-menopausa). A matéria frisa a importância desses achados no diagnóstico diferencial entre benigno e maligno. Com descrição dos achados Doppler dos fibroadenomas típicos e suas variantes, traz casos emblemáticos de padrão benigno com exemplo. Aponta também os achados Doppler menos típicos de padrão duvidoso e os achados Doppler dos fibroadenomas atípicos, frequentemente confundidos com malignidade. Focaliza-se o diagnóstico diferencial do Doppler do padrão maligno de fibroadenoma com alguns exemplos mais pertinentes. Explica-se o raciocínio global no diagnóstico diferencial pelo Doppler do fibroadenoma típico e atípico. É enfatizada a classificação Doppler, pois esta pode definir conduta.

Aula 5: O fibroadenoma atípico. Focada no fibroadenoma atípico esta aula descreve e exemplifica seus principais tipos, assim como o risco de câncer de mama associado a alguma das variantes histológicas. Sugere-se que o ultrassonografista e o patologista tentem identificar o fibroadenoma complexo. Os sinais usuais deste fibroadenoma são detalhados e exemplificados. Descreve-se os sinais mamográficos atípicos dos fibroadenomas que podem confundi-lo com carcinoma. Descreve-se os sinais ultrassonográficos mais frequentes, menos frequentes e raros dos fibroadenomas. Enfatiza-se os achados Doppler que podem facilitar o diagnóstico diferencial entre nódulos sólidos benignos e malignos, com várias ilustrações pertinentes. Os principais sinais elastográficos que ajudam no diagnóstico diferencial entre benigno e maligno também são mencionados e ilustrados. No final é feita uma correlação entre os pontos chave dos estudos mamográficos, ultrassonográficos e elastográficos, com várias ilustrações que facilitam a assimilação do conhecimento.

Aula 6: Correlação entre padrão ultrassonográfico, Doppler e histologia dos fibroadenomas. Aborda como a textura influencia a capacidade do ultrassom em identificar o fibroadenoma, e quais variáveis influenciam o padrão textural. Serão mostrados achados ultrassonográficos e Doppler que correlacionam com a histologia do fibroadenoma, como por exemplo, a textura, a arquitetura tecidual homo ou heterogênea, a transmissão som, a compressibilidade e o padrão de vascularização. Será abordado o significado destes achados e o risco de malignidade a eles associado. Menciona-se quais são os aspectos decorrentes da física do ultrassom, da técnica do exame e do tipo de equipamento que podem influenciar o padrão textural ultrassonográfico do fibroadenoma, atenuação, transmissão do som. Será dada ênfase no final aos sinais ultrassonográficos de benignidade de nódulo sólido mamário mais e menos confiáveis e a importância da análise evolutiva.

Testando Conhecimento Adquirido no curso

Ao final de cada curso a médica disponibiliza testes para avaliação do aprendizado do conteúdo aprendido. Cada módulo tem um volume específico de perguntas e um tempo máximo indicado para as respostas.