English

+55 11 3287-3755 | 3287-5357 

São Paulo – SP

Segunda – Sexta | 8:00 – 20:00h

|
VOLTAR  

Conselho Mundial de Saúde

DECLARAÇÕES | NOTÍCIA

Declaração do Conselho Mundial de Saúde sobre Omicron (B.1.1.529)

30 de novembro de 2021,  Tempo de leitura: 2 minutos

O Conselho Mundial para a Saúde (WCH) se opõe ao alarido generalizado como resultado da descoberta da variante B.1.1.529 (Omicron) SARS-CoV-2. De acordo com as evidências disponíveis, a variante não é mais preocupante do que qualquer outra.

O WCH reconhece que todos os vírus sofrem mutação e que a imunidade natural oferece melhor proteção contra mutações virais do que as inoculações de Covid-19.

Advertimos contra o restabelecimento de bloqueios e outras medidas desnecessárias que não comprovadamente retardam a propagação do vírus. Essas medidas demonstraram causar danos indevidos.

O WCH exorta os líderes globais a ouvir as autoridades de saúde na África, incluindo o virologista Barry Schoub, chefe do Comitê Consultivo Ministerial da África do Sul sobre as vacinas Covid-19, e Joe Phaahla, Ministro da Saúde da África do Sul.

Dr. Schoub disse que é «improvável que cause doenças mais graves». Phaahla chamou a proibição de viajar para aqueles que vêm de oito países africanos de uma «reação automática» que «não faz sentido».

No início deste mês, o continente africano era comemorado por ser “uma das regiões menos afetadas do mundo”, segundo a Organização Mundial da Saúde, apesar de menos de 6% da população ter sido vacinada.

Deve-se notar também que os quatro primeiros casos de Omicron discutidos na mídia foram em pessoas vacinadas em Botswana, onde apenas 20% da população está totalmente vacinada.

O WCH apoia as nações africanas e reconhece a sua capacidade de determinar o que é melhor para o seu povo. O WCH não acredita que essas nações precisem de “resgate” pelas nações ocidentais ansiosas por vacinar e se posiciona firmemente contra toda e qualquer proibição de viajar.

Enquanto os fabricantes de vacinas lutam para criar uma nova vacina para esta variante, o Would Council for Health lembra a OMS, o FDA, o MHRA e outras agências reguladoras que o desenvolvimento de vacinas seguras leva cerca de 10 anos. Outros novos produtos de vacinas desenvolvidos às pressas pela Pfizer, Moderna, Johnson & Johnson, AstraZeneca ou qualquer outro fabricante de medicamentos não serão aceitáveis para o povo da África ou do mundo.

———————————————————–

World Council for Health

STATEMENTS | NEWS

World Council for Health Statement on Omicron (B.1.1.529)

November 30, 2021

Reading Time: 2 minutes

World Council for Health (WCH) stands in opposition to the widespread scaremongering as a result of the discovery of the B.1.1.529 (Omicron) SARS-CoV-2 variant. According to available evidence, the variant is not of more concern than any others.

WCH recognizes that all viruses mutate and that natural immunity offers better protection against viral mutations than the Covid-19 inoculations.

We caution against the reinstatement of lockdowns and other unnecessary measures that have not been proven to slow the spread of the virus. These measures have been shown to cause undue harm.

WCH urges global leaders to listen to healthcare officials in Africa including Virologist Barry Schoub, the head of South African’s Ministerial Advisory Committee on Covid-19 vaccines, and Joe Phaahla, South African Health Minister.

Dr. Schoub has said it is “unlikely that it’s going to cause more severe disease.” Phaahla has called travel bans on those coming from eight African countries a “knee-jerk reaction” that “doesn’t make sense.”

Earlier this month, the African continent was being celebrated for being “one of the least affected regions in the world,” according to the World Health Organization, despite fewer than 6% of the population being vaccinated.

It should also be noted that the initial four cases of Omicron to be discussed in the media were in vaccinated people in Botswana, where only 20% of the population is fully vaccinated.

WCH stands with African nations and recognizes their ability to determine what is best for their people. WCH does not believe that these nations are in need of “rescue” by Western nations eager to vaccinate and firmly stands against any and all travel bans.

As vaccine manufacturers scramble to create a new vaccine for this variant, Would Council for Health reminds the WHO, the FDA, the MHRA, and other regulatory agencies that safe vaccine development takes around 10 years. Further novel vaccine products developed in haste by Pfizer, Moderna, Johnson & Johnson, AstraZeneca, or any other drug manufacturer will not be acceptable to the people of Africa or the people of the world.